EUA querem fazer de Raqqa o centro de uma Síria não controlada por Assad

A cidade de Raqqa esteve sob controle do Daesh desde 2013, a cidade era considerada a capital não oficial do Daesh. Em 2016, a coalizão liderada pelos EUA anunciou o início da operação para libertar a cidade. Conforme o comunicado das FDS, a operação durou 134 dias.

Ataques aéreos tiraram a vida a milhares de civis

Financiando a reconstrução da cidade de Raqqa, os países da coalizão liderada pelos EUA perseguem o objetivo de transformá-la em “capital de outra Síria”, não controlada pelo presidente da Síria Bashar Assad, afirmou o vice-presidente da Comissão de Defesa e Segurança do Conselho da Federação da Rússia, Franz Klintsevich.

Em 20 de outubro, as forças árabes e curdas das Forças Democráticas da Síria (FDS), apoiadas pela coalizão internacional liderada pelos EUA, anunciaram a libertação completa de Raqqa do Daesh (organização terrorista).

“O envio urgente de milhões de dólares e euros a Raqqa é apenas mais um exemplo de que a coalizão liderada pelos EUA aplica padrões duplos na Síria, um exemplo da divisão em “amigos-inimigos”, explicou o senador.

O senador referiu que se são “tentativas separatistas de transformar Raqqa no centro de outra Síria, uma Síria não controlada por Bashar Assad”, enquanto “restaurar a vida pacífica na cidade é apenas um pretexto”.

Mais cedo dia 22 de Outubro, o porta-voz do Ministério da Defesa da Rússia, major-general Igor Konashenkov, disse que o Ministério da Defesa russo trata com bastante suspeita a intenção urgente dos membros da coalizão liderada pelos EUA de alocar ajuda financeira a Raqqa em depois de repetidas recusas de entregar ajuda humanitária aos sírios afetados pela guerra civil.

Deixe um comentário

  Subscribe  
Notify of
Do NOT follow this link or you will be banned from the site!